Korg RK-100S – O keytar repaginado

Korg RK-100S – O keytar repaginado


AoLQ.korg_keytarrk100s_bk_a6_jpgO keytar elegante da Korg traz ótimos timbres e síntese poderosa, tudo para repetir o sucesso de seu antecessor

Tocar teclados em uma banda, no sentido do contato com o público, pode ser frustrante para alguns. O instrumento dá ao músico pouca mobilidade, e o deixa preso a uma estante. Para piorar, quem vê o tecladista de frente não tem uma visão que favoreça o trabalho do instrumentista: a melhor parte – que é ver o painel do instrumento, com seus botões, knobs, luzes, teclas, e as mãos tocando – fica escondida do público, a não ser que se incline os teclados de modo inverso (o que é muito debatido), ou se toque totalmente de lado para que uma pequena parte da plateia possa ver sua ação. Telões ajudam um pouco, e até alguns músicos colocam espelhos no palco para que as pessoas possam ver os teclados e tecladistas em ação. Obviamente muitos tecladistas não se contentam com isso. Os mais extrovertidos querem ir para a frente do palco, ter contato com o público e mostrar seu potencial artístico.

Pensando nisso foi desenvolvido o conceito keytar. Como o nome já diz, uma mistura de teclado e guitarra. Oferece mobilidade ao instrumentista e agilidade nos solos, apesar da limitação em usar as duas mãos para tocar pianos e  órgãos. O primeiro Keytar lançado foi o Moog Liberation, nos anos 80, e de lá pra cá outros fabricantes adotaram esse conceito. A Korg lançou seu primeiro RK-100 em 1984. Na época, ele era apenas controlador, com corpo em madeira, quatro cores e 41 teclas sem sensibilidade ao toque. E fez muito sucesso. O modelo foi relançado recentemente com o nome RK-100S e várias mudanças. O primeiro ponto positivo foi que mantiveram o corpo em madeira. Nota-se que procuraram manter o design original e as cores branca, vermelha e preta. O instrumento está mais compacto e leve. O teclado tem peso agradável – nem muito leve ou pesado -, na medida certa. São 37 teclas sensíveis ao toque, um pouco menores que as do modelo anterior, dois controles ribbon, um curto, no braço, e outro que percorre toda extensão do teclado. Mas o melhor de tudo foi que colocaram timbres. E  ue timbres!

preview 2O RK-100S recebeu  um sistema de geração de som MMT (Multiple Modeling Technology). Sim, ele possui uma  síntese hibrida que permite usar ondas geradas por síntese subtrativa V.A. (virtual analógic) ou amostras PCM, ou  então conjugar as duas formas de síntese. Dois filtros, vocoder, processador de efeitos e arpeggiator: temos aí um sintetizador poderoso. O banco PCM vem com algumas das amostras clássicas da Korg. Foi bem legal  encontrar timbres como os M1 piano, M1 Organ e M1 Bell. Ele tem dois osciladores.  O Oscilador 1 traz Saw, Pulse, Triangle, Sine, Formant, Noise, PCM/DWGS e Audio In. Oscilador 2, Saw, Pulse, Triangle, Sine. O primeiro trabalha nos modos Waveform, Cross, Unison, Vpm, e o segundo, nos modos Ring, Sync, Ring+Sync. Todas formas de onda  são muito bem geradas produzindo um som forte e presente por toda extensão do teclado. No modo PCM/DWGS do Oscilador 1, é possível acessar as amostras PCM e usar uma das ondas do Oscilador 2, criando, desse modo, um misto de PCM e V.A. O RK-100S traz dois filtros. O Filtro 1 pode ser configurado para -24 dB/oct LPF, -12 dB/oct LPF, HPF, BPF e Thru. O Filtro 2, por sua vez, funciona como LPF, HPF e BPF. Os filtros trabalham no modo single, serial, parallel e individual. No AMP, temos em Wave Shape os modos Drive, Decimator, Hardclip, Oct Saw, Multi Tri, Multi Sin, Sub Osc Saw, Sub Osc Squ, Sub Osc Tri, Sub Osc Sin, Level Boost. Todos com opção PreFilter1 ou PreAmp. O teclado ainda traz dois LFOs com os tradicionais Saw, Square, Triangle, S&H e Ramdom. O processador de efeitos tem dois Master Effects e equalizador de duas bandas.

 

rk100s_3Recursos

O RK-100S é multitimbral, com até dois timbres em layer, split ou multi, e oferece polifonia de até oito vozes, o que está de bom tamanho para um Keytar sintetizador. O resultado disso são timbres encorpados, muito bem construídos, cheios de texturas, com bons efeitos e bom arpeggiator. Um vocoder de 16 bandas também está disponível e seu uso faz a polifonia cair para quatro notas. O painel do RK-100S é resumido, adequado para um  instrumento para performances ao vivo. Apesar de ter um belo sintetizador embutido, não há controles como knobs  sliders para edição de timbres em tempo real. Apenas ao ribbon maior se pode atribuir controle de parâmetros de filtro (além do bend e de executar escalas previamente selecionadas). Para se ter acesso a todos parâmetros de edição  dos timbres, é necessário utilizar o software PC Editor via computador.

2_257531-808x336O RK-100S realmente foi desenhado para a performance ao vivo, portanto tudo deve ser previamente editado antes de subir ao palco. Em seu painel, ele possui  uma pequena alavanca com movimento crescente decrescente para acessar seus 200 bancos. Para facilitar a navegação, há oito botões aos quais se pode endereçar timbres favoritos. Esses mesmos botões funcionam como um led indicador de performance ou como luzes para indicar o funcionamento e andamento do arpeggio. Mais à esquerda, se vê mais quatro botões: Tap tempo, ARP (arpeggiator on\off ), Short Ribbon (para selecionar no ribbon  pequeno a função bend ou modulation) e Shift (botão de deslocamento para produzir mais algumas funções quando usados em conjunto com outros botões). No braço, dois botões acionam o oitavador e outros dois atribuem funções para o ribbon maior. O teclado também funciona a pilha, possui entrada USB para conectar a um computador e entrada para áudio externo ou mic.

 

Conclusão

O RK-100S é um Keytar bonito, elegante, com peso confortável, vocoder e ótimos timbres com síntese poderosa,  lém de um grande controle ribbon que torna muito mais divertida a performance no teclado. Está no caminho certo para repetir o sucesso de seu antecessor.  (Cristiano Ribeiro)


+ There are no comments

Add yours