O estudo da música

O estudo da música


Executar uma canção é somente o produto de um processo e, muitas vezes, na ansiedade de chegar nesse resultado, atropela-se o método e deixa-se de aprender muitas coisas importantes

Sempre é preferível abordar o “estudo da música” em vez de “estudo do teclado” ou “estudo do piano”. É claro que a ferramenta são as teclas brancas e pretas dispostas horizontalmente, acessíveis às duas mãos, mas seria diminuir – e muito – o assunto “música”, reduzindo-o a apenas “tocar notas”.  Infelizmente, não são poucas as pessoas que passam uma vida inteira ignorando a variedade de possibilidades, de caminhos, de coisas que passam despercebidas. É como uma pessoa que não enxerga as cores, mas apenas tons de cinza, e se satisfaz com isso, acreditando que o mundo é preto e branco.

Os assuntos importantes nesse processo do “estudo da música” são:

Percepção: treino auditivo, já que a música é invisível;

– Leitura: é a forma visível como a música é transmitida;

– Técnica: os dedos são necessários para produzir som. Como usá-los?;

– Harmonia: como combinar as notas e entender os acordes e cifras, sem ter que, necessariamente, decorá-los;

– Improvisação: criar sonoridades, melodias, frases, sempre no momento, em tempo real;

– Composição: criar e registrar uma ideia musical com possibilidade de repeti-la;

– Arranjo: criar ou modificar harmonias, criar contrapontos, escrever para outros instrumentos;

– Prática em conjunto: tocar com outras pessoas em duo, trio, quarteto e outras formações musicais;

– Conhecimento de tecnologia: utilizá-la como poderosa ferramenta , e não como “muleta”.

dsc00743Se qualquer um destes tópicos não constar da formação musical de um indivíduo, infelizmente ele é um músico “incompleto” e, em algum momento, surgirão situações em que perceberá, na prática, essas limitações.

Alguns outros assuntos mais subjetivos, obtidos nesse estudo:

– Autoafirmação;

– Autorrealização;

– Trabalho em equipe;

– Superação de dificuldades, perseverança;

– Abstração de sentimentos;

– Hobby;

– Memória auditiva;

– Memória motora;

– Coordenação motora;

– Raciocínio lógico;

Procure pensar nesses diversos caminhos e observe se você tem utilizado atalhos para fugir de assuntos que, talvez, não domine bem. Tente controlar sua ansiedade. Tire o pé do acelerador e pise no freio. Procure trabalhar esses tópicos dividindo, separando, aprofundando e desenvolvendo cada um deles. Isso é perfeitamente acessível a qualquer pessoa. E não estou falando para profissionais apenas ou em alto nível de estudo.

 

Categories

1 comment

Add yours

+ Leave a Comment