CS-80: o dinossauro analógico da Yamaha

CS-80: o dinossauro analógico da Yamaha


yamaha-cs-80-1O som enigmático e inesquecível de Blade Runner – O Caçador de Androides marcou a sonoridade do compositor Vangelis e influenciou várias gerações de tecladistas

No final dos anos 70 e início dos 80, apareceram diversos sintetizadores analógicos polifônicos que são universalmente reconhecidos como clássicos: o Prophet-5, da Sequential Circuits, o Jupiter-8, da Roland e o OBX, da Oberheim, entre muitos outros. Mas, talvez, o mais desejado de todos tenha sido o Yamaha CS-80. Amado até hoje por músicos e colecionadores, o CS-80 possuía algumas características bastante surpreendentes para a época, como polifonia de oito vozes, patch de memória, um inovador teclado aftertoutch e um painel amigável com diversos controles fáceis de acessar.

Extremamente robusto, colorido, e com um som de arrepiar, o CS-80 é um dos sintetizadores mais enigmáticos de todos os tempos e foi a primeira grande  contribuição do Japão para o mercado de sintetizadores. E em todos os sentidos. O modelo é um verdadeiro dinossauro analógico, com mais de 100 kg e dimensões de 120 x 30 x 68 cm. Para complicar, seus circuitos são extremamente delicados, e só pode ser transportado em flightcases. Os componentes de afinação são tão sensíveis que, se um CS-80 for transportado incorretamente, seguramente irá desafinar. Parece irônico agora, mas este era uma versão mais portátil de um outro sintetizador Yamaha, ainda maior e muito mais caro, o GX1. O CS-80 também era caro, mas um pouco mais acessível.

Além do alto preço, peso e dimensões monstruosas e da  fragilidade dos componentes, outro ponto vulnerável do CS-80 eram os presets: apenas 26 não programáveis. Todos esses fatores indicam que o modelo tinha tudo para ser um fracasso, principalmente levando-se em consideração que, no início dos anos 80, apareceram vários teclados muito mais leves e mais confiáveis. O Juno 60, por exemplo, oferecia mais que o dobro do número de sons. Mas contra  udo isso, o CS-80 acabou emplacando como um dos sintetizadores mais desejados e populares de todos os tempos. A inigualável qualidade sonora do CS-80, por si só, já é capaz de compensar todas essas limitações. Os presets estão dispostos em dois bancos, que podem ser selecionados independentemente, em conjunto ou em camadas. Quando dois sons são selecionados em camadas e levemente desafinados, o CS80 realmente começa a cantar. Essa “desafinação natural” resultava em sons de sopro e cordas incomparáveis, e permite a criação de timbres totalmente complexos em termos harmônicos.

 

Arquitetura sonora
Com dois osciladores analógicos por voz, o CS-80 possui uma arquitetura de som completamente analógica, e foi um dos primeiros polysynths “verdadeiros”, o que significava poder tocar acordes sem problemas. As duas seleções independentes de oito vozes permitiam  a combinação em camadas, o que resulta em sons extremamente profundos e complexos. Na verdade, o CS80 pode ser pensado como dois sintetizadores polifônicos em um, já que, na prática, o modelo oferece dois sintetizadores de oito vozes (total de 16 osciladores) trabalhando em conjunto e conectados a um único teclado. Cada voz tem um único VCO com geradores de envelope independentes, tanto para   VCF e o VCA.

Leia a matéria na íntegra na revista digital gratuita Teclas & Afins. Acesse www.teclaseafins.com.br


+ There are no comments

Add yours